Inclusão LGBT+ na astronomia

Título: LGBT+ Inclusivity in Physics and Astronomy: A Best Practices Guide, 2nd edition

Autores: Nicole Ackerman, Timothy Atherton, Adrian Avalani, Christine Berven, Tanmoy Laskar, Ansel Neunzert, Diana Parno e Michael Ramsey-Musolf

Instituição do primeiro autor: Agnes Scott College

Status: acesso livre no arXiv

“A ciência avança mais rápido quando cientistas estão livres para aplicar sua inteligência e imaginação para explorar o universo sem limites e sem medo”. Esse seria o cenário ideal, mas na realidade cientistas que se identificam como LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e “+”**) ainda enfrentam barreiras no mundo acadêmico.

**o “+” é utilizado para incluir todas outras identidades sexuais e de gênero

Você pode até pensar que seu departamento/instituição é um ambiente seguro e receptivo quanto à esta questão, mas é importante notar que diferentes grupos enxergam o campus de forma diferente. Um estudo realizado em 2003 mostrou que 90% dos estudantes heterossexuais classificavam o ambiente no campus como inclusivo, enquanto que 74% dos estudantes LGBT+ classificaram o campus como homofóbico.

O que poderia então ser feito para ajudar a mitigar essas barreiras, e trazer igualdade e inclusão para a astronomia? Um guia feita pelo grupo Físicos LGBT+ juntamente com o Comitê para Minorias Sexuais e de Gênero na Astronomia da Sociedade Americana de Astronomia (AAS) lista vários pontos pelos quais podemos começar.

No astropontos de hoje daremos ênfase a alguns desses pontos abordados no guia, que são bastante relevantes para estudantes de graduação e pós-graduação. Entretanto, vale a pena ler o guia completo.

O que pode ser feito na sala de aula?

Seguem abaixos algumas atitudes que tanto os professores quanto os estudantes podem tomar:

  • Não tolerar o uso de linguagem ofensiva. Isso é extremamente importante fora da sala de aula também! Mesmo comentários que parecem ser bem intencionados podem ter um impacto prejudicial. Por exemplo, utilizar “isso é tão gay” descrever algo como negativo (dar a impressão de que ser gay é um problema) pode até parecer inofensivo para alguns, mas pode ser um insulto para outros.
  • Trabalhar em conjunto para encorajar a participação em sala. Certifique-se de que todos tenham a mesma chance de falar e de compartilhar ideias na sala de aula. Em alguns casos, você pode considerar formar grupos (para projetos em grupos, grupos de estudos, parceria de laboratório, etc) de forma a não excluir estudantes, por exemplo: incluir pessoas LGBT+ em cada grupo.

Se você é um instrutor de um curso, seguem algumas ações que você pode fazer:

  • Certificar-se de que políticas não-discriminatórias sejam adotadas no programa do curso.
  • Tentar não assumir previamente o pronome de uma pessoa (por exemplo,  se referir com “ele(s)/dele(s)”, “ela(s)/dela(s)”, ou outros pronomes). É melhor tentar identificar o pronome que o estudante prefere antes do curso começar (talvez utilizando uma enquete, assim os estudantes não se sentirão pressionados a se assumir publicamente para a classe).
  • Faça com que as correções das provas (ou listas de exercício) sejam anônimas, evitando assim viés de gênero (ou raciais)
  • Monitore o clima do ambiente durante o curso – faça com que os estudantes possam avaliar o curso, criando enquetes em que possam se identificar anonimamente para dar opiniões sobre ambiente no curso

O que pode ser feito no seu departamento?

Aumente a conscientização. Se sua instituição oferece algum tipo de treinamento sobre diversidade de gênero, considere participar e também incentivar seus colegas a participarem! É também interessante convidar palestrantes LGBT+ para o seu departamento, e ajudá-los a encontrar-se com pessoas ou grupos com quem eles possam ter interesses em comum.

Faça o ambiente de trabalho ser acolhedor para todos. Não apenas é importante fazer com que linguagem ofensiva não seja tolerada, mas também é fundamental tornar o departamento mais inclusivo. Realize eventos sociais que incluam todos, e tente utilizar uma linguagem inclusiva a todos os gêneros.

Seja um defensor. Você pode dar suporte aos colegas LGBT+ pedindo por mudanças pró-LGBT no seu departamento. Algumas coisas que você pode fazer são: solicitar uma representação igualitária de pessoas LGBT+ em cargos de liderança; criar um comitê da diversidade de gênero que possa escutar, criar debates sobre o assunto e também ajudar a tornar o ambiente de trabalho inclusivo.

Outras atitudes que você pode tomar:

  • Ajude a criar banheiros de gênero neutro no prédio da sua instituição (como ilustrado na Fig.1)
  • Mantenha a interseccionalidade em mente ao interagir com os outros ou pressionar por mudanças (“Interseccionalidade” é o conceito de que muitas identidades podem se cruzar, por exemplo, alguém que é negro e LGBT+ provavelmente pode sofrer mais preconceitos do que alguém que é branco e LGBT+)

    allgender_bathroom
    Fig. 1: Banheiro para todos os gêneros

Por fim, o mais importante é que você seja aberto a discutir e aprender sobre a diversidade de gênero. Se nós não formos capazes de falar sobre esse assunto, a questão da identidade de gênero não irá evoluir na astronomia.

Foi utilizado como base o texto em inglês: LGBT+ Inclusivity in Astronomy por Mia de los Reyes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s